segunda-feira, dezembro 26, 2016

FRAGMENTOS XXXIX


Vai abrir-se a “a caixa de Pandora” e soltarem-se as maldições. Não será espectáculo recomendável – talvez seja preferível, Maria Adelaide, ficares afastada uns tempos. Ou talvez não. Porventura possas, talvez, aparecer, mais tarde, trasvestida de senhora de impoluta conduta, temente a Deus amante dos pobrezinhos, qual dedicada activista do Movimento Nacional Feminino e de sua corte de “madrinhas de guerra”. Quem o poderá jurar, se o autor não existe?

................................................................................................................................
Então, nessa manhã madrugadora, quando os homens e os bichos eram apenas o perfil recortado das coisas físicas, contraponto entre o dia, ainda placenta, e a noite, que deslassava, antes mesmo de o Sargento-dia ter ordenado o toque de clarim “em alvorada”, dulcificava o Alferes o olhar e a alma na polissémica fusão da paisagem com as emoções em que se desprendia e eis que vislumbra, em recorte de contraluz, o soldado “Assobio” que, como se sabe, já não “apoucalhado” recruta, provindo das desolados cumes da Serra da Gardunha e de seus ermitérios de solidão, mas agora arvorado em “impedido” da messe dos oficiais, com reluzentes dragonas e casaca branca, acompanhado pelo “cabo da cifra”, militar interprete e depositário de todos os códigos e cifras de comunicação com o Comando da Companhia e com o resto do Mundo também, pois que o centro do mundo a Tabanca era, códigos e cifras secretos, conforme os regulamentos e normas, que mais não eram do que o estreito caminho entre segredo e a coscuvilhice.

Naquela inusitada aparição, saída do bojo das improbabilidades, pois que a vida no quartel era toda ela “ordenada” por toque de cornetim, ou voz de comando, fora da qual o tempo era simples passagem do tempo, a menos que algum acontecimento extraordinário viesse a perturbar o oscilar monótono do tempo real. Naquela aparição matinal, por tão improvável, agitou-se o Alferes que foi repassado por brevíssimo estremecimento, qual sismógrafo, que, premonitoriamente, advinha e antecipa o começo da derrocada e o fim dos dias faustos. Que faziam ali o soldado Assobio e, sobretudo, o “cabo da cifra”, quando o quartel ainda mal se espreguiçava e Tabanca era bocejo matinal? Assim, por momentos, o Alferes agourou o pior e o coração bateu várias vezes, cada vez mais acelerado, até ganhar serenidade, saltitando a sua ansiedade entre a morte ou doença de familiares ou amigos próximos, pois que, como como cada um sabe segundo a sua própria experiência, as boas notícias chegam sempre mais ronceiras e pelos meios mais morosos, enquanto as más notícias percorrem atalhos e trilhos escusos para mais depressa causarem o dano de que são infectadas, balançava pois o Alferes entre o mal e o bem, sendo que o bem se pode sempre mudar em mal, como seja, no caso, a possibilidade de algum desastre militar, sabe-se lá de que tamanho e com que perdas, pois bem se sabe que, para quem ocupa chão que não o seu, ou busca colher, sem consentimento, de mulher alheia, por exemplo, a flor de seus caprichos, ou seja o lá o que for que abusivamente se pretenda, melhor é estar preparado para o efeito boomerang e para suas funestas consequências, de sorte que o Alferes para aliviar a sua própria tensão sacudiu seus prenúncios e exorcizou o negrume de seus pensamentos e, decidido, antecipando desígnios e lances da sorte, foi ao encontro dos dois militares, certamente, naquela matutina hora, mensageiros infaustos, já que apenas urgência grave justificaria o zelo e a diligência de que vinham animados.

Dispensando o Alferes continências e outras formalidades militares, arrancou o papel das mãos do “cabo da cifra” e, com ligeiro aceno, afastou o brioso soldado “Assobio”, apoucalhado que fora e agora arvorado em garboso impedido da messe de oficiais, como ficou dito, por ordem serviço lida em parada, com todo o arsenal de deveres e direitos devidos à sua condição e, naquilo que a sua função se refere, o poder/dever de frequentar os aposentos dos oficiais da Companhia, designadamente, os quartos de dormir. E para isso viera o soldado Assobio, isto é, para fazer imediata entrega do pequeno papel amarelado, que encerrava o destino da guarnição da Tabanca e que, ao abrir-se nos dedos decididos do Alferes, abriria também, sem apelo ou agravo, as inquietas certezas, faustas ou infaustas, de que o apoucalhado, ora soldado Assobio, era portador e agente e que ele, militar brioso, embora apoucalhado, levaria “sua carta a Garcia”, ainda que o Alferes dormisse “blindado” pelos braços de Dona Rosalinda, em cama larga, nos aposentos mais amplos da vivenda, com rasgadas janelas, resguardadas da invasão de mosquitos e outra bicharada por espessa e fina rede de metal, pois bem se sabia em toda a guarnição militar da Tabanca e, do que sabido era, se dizia à boca pequena que Dona Rosalinda sofria de afrontamentos e que para acalmar seus suores e ânsias nocturnas que lhe subiam das coxas, em ondas de calores húmidos, durante a noite, se metia na cama do Alferes, - “és tão bonito, meu filho” - e, maternal, se desfazia em blandícias e carícias que o Alferes, quedo e mudo, aguentava até ao espasmo final e ali ficava então de olhos abertos, como estranho, suportando o peso das carnes flácidas, ou um novo assalto, até que de novo adormecia e Dona Rosalinda retomava seu leito, no outro lado da vivenda, pé ante pé, para não acordar o seu menino.

Mas naquela noite, não. O Alferes acordara cedo. Lera até tarde “Les Danné de la Terre”, do argelino Franz Fanon que, numa quase clandestinidade, corria de mão em mão, pelos oficiais e sargentos do Batalhão de Cavalaria e o que lera lhe ficara a bailar no cérebro como revelação, a doer como lâmina surda, a acicatar a impúbere consciência cívica e colhia, então, o Alferes, naquela hora indecisa, daquela manhã polissémica, o conflito íntimo e a contradição “sistémica” entre fechar os olhos ante o que à sua volta se passava e percebia e sentia na pele, com conhecimento agudo e profundo da natureza exploradora do sistema colonial e de uma guerra que, além de injusta, não se almejava o fim, e o propósito, até então assumido, de levar as coisas da melhor maneira, sem fazer ondas, contar os dias até a “peluda” chegar e regressar então, são e salvo, à família, aos amigos, à Universidade e às esperanças legítimas de uma carreira na Magistratura e, do outro lado da equação, o salto no escuro que representaria a neófita decisão de desertar e colocar-se à disposição da guerrilha, ainda a germinar e que, por inesperada, o perturbava, numa angústia sufocante, qual poderosa tempestade para resguardo da qual não colhia abrigo. Assim fora o abalo interior que a leitura da noite lhe provocara, bem sabendo o Alferes que há momentos assim únicos, em que se joga tudo ou nada, e nesse rasgo, se revela a integridade e o carácter que define a grandeza dos homens. Mas também sabia o Alferes o caudal de certezas que o prendiam, as milhentas razões que o embaraçavam, o sacrilégio que seria ceifar esperanças, não dele, que, por ele, cedo aprendera a “diferenciar o nada de coisa nenhuma”, quer dizer, cedo aprendera a efemeridade coisas e o valor delas e a relativa importância do lugar social donde falamos, em todo caso esperanças que, laços de sangue, eram aguilhão a empurrar a sua vida e a forçar o destino.

Ainda se houvera ali, atormenta-se mentalmente o Alferes, a presença de alguém em que pudesse depositar, não a inóspita decisão que bem sabia ser sua, mas ao menos o pudesse apaziguar a sua angústia, mas quem? Dona Rosalinda? Nem pensar, nunca lhe perdoaria a “traição” de passar-se para os pretos. E, no entanto, o nome Rosalinda teimava em vir à tona, martelava-lhe o cérebro e ocupava toda a largura mental de sua momentânea inquirição – “vai, meu filho, vai falar com o senhor Gomes, ele é homem do mundo, saberá escutar-te” – assim o Alferes, em sua fantasmagoria, lhe parecera escutar o murmúrio sussurrante da excelsa senhora e, nessa “iluminação”, se decidira, iria sim falar com o “senhor Gomes”, degredado da heróica e frustrada Revolta dos Marinheiros de 1936, primeiro branco daquelas paragens que, na palavra sábia de Dona Rosalinda, os pretos respeitam e os brancos escutam ou escutavam, antes desta maldita guerra chegar, não para lhe pedir conselho, ou falar sobre si e o seu agudo conflito, mas dele e de sua experiência de África, influência que se estendia pelo Senegal até aos territórios, a norte, de Cassamansa, levada pelas trocas de panos e pelo marfim e outras mercadorias que vasta trupe de “Xilas”, que com ele, português das “sete partidas, comercializava, por certo dele colheria palavra, ensinamento ou “leitura” esclarecida dos presentes acontecimentos de guerra, que certamente o ajudariam na tomada de decisão firme sobre seus propósitos. Em suma, buscava o Alferes, ainda sem o saber, a alavanca das decisões sábias, alicerçadas no impulso da “razão teórica” e na fecundidade da “razão prática”, filosofia que, ao longo da vida, iria absorver, aprofundar e praticar com a naturalidade do ar que se respira.

E neste balanço íntimo, nesse fervor de emoções contraditórias, que o empurraram fora da cama, nessa manhã madrugadora, no contraponto entre o dia, ainda placenta, e a noite, que deslassava, antes mesmo de o Sargento-dia ter ordenado o toque de clarim “em alvorada”, assim o Alferes foi ao encontro dos dois militares, o soldado Assobio, que “apoucalhado fora” e  o “cabo da cifra”, à vista dos quais seus pensamentos se deslocaram para outras direcções e à incógnita das suas decisões imediatas somou presságios e inquietações que, desde que o mundo é mundo, os mensageiros são portadores e hão-de levar ao seu destino, ainda que por vezes, em tempos rudes da História,  tivesse de pagar com a mão decepada, quando não mesmo a cabeça. Mas, apesar da crueldade dos tempos, disso estava livre o apoucalhado mensageiro , apenas objecto da brusquidão do Alferes, que, em sua ansiedade, arrebatou, sem condescendência, o descorado papel das mãos do soldado e abriu, num ímpeto: as notícias nuas e curtas – o capitão Mascarenhas chegaria nesse mesmo dia, com a escolta de dois grupos de combate. E todos os civis seriam imediatamente evacuados, regresso à sede do Batalhão de Cavalaria, escoltados no regresso por um dos grupos de combate, ora em trânsito. Essas eram as ordens. Havia que cumpri-las.

Veremos como um simples papel pardacento e meia dúzia de sinais (de) cifrados podem mudar o curso da vida e o rumo dos acontecimentos.

Manuel Veiga

sexta-feira, dezembro 23, 2016

Um Cântico de Vida


Gosto de pessoas. Por vezes próximas, respirando ao mesmo ritmo!.. Outras (quase sempre) apenas momentos, riscos de acaso, meteoritos intensos na solidão da cidade. Uma viagem de autocarro (ou de metro) é sempre uma revelação inesperada. Pequenos nada que nos perseguem (momentos, horas, dias?) e que exigem que os soltemos, de tão intensos...

Gosto de gente anónima. De seus rostos. Da linguagem subtil dos seus gestos. Do seu porte. Do pulsar do meu Povo!...

Por vezes, a cor desânimo, toma o sangue. O cepticismo cria raízes e uma ironia triste ocupa o espaço da esperança. Porém, do meio da multidão, surge tantas vezes, sem nos darmos conta, uma imagem, o resto de uma carícia, uma ternura, uma beleza inesperada que humaniza e reconforta. Que nem sempre estamos disponíveis para ver e que, outras vezes, guardamos como refrigério de alma...

Falo-vos de uma viagem de autocarro entre o Rossio e o Cais de Sodré. Na curta distância, cenas dignas de um pintor impressionista - o melhor e o pior de um Povo concentrado no escasso espaço de um autocarro, à hora de ponta. Nada que seja diferente de outras viagens.

Até que...

Uma jovem mãe, de rosto trigueiro e olhar apaziguado, entrou, aconchegando no colo uma criança de escassos meses. Sozinha, face as intempéries e os balanços da vida, ali bem simbolizados nos apertos e balanços do autocarro. Um jovem, de brinco na orelha e crista de galo loira, cede-lhe o lugar (no meu íntimo, um sorriso freak!)

Acomodou-se a “minha" jovem Madalena (era, de certo, este o seu nome!) com o bebé nos braços, sereno que nem um anjo. E alheia a tudo que não fosse a sua novel maternidade, a jovem soltou o seio da blusa (mármore puro) e a boca da criança, em esplendor, buscou afoita o mamilo, assim exposto em dádiva!

Vi então olhares brilhantes nos rostos cansados dos transeuntes. Vi ternuras caladas e inesperados silêncios. Vi orações pagãs em cada sorriso!...

E, em época natalícia, a minha alma ateia, entoou um cântico de vida - "Glória in excelsis Deo!..."

Manuel Veiga  

Retomo um texto antigo.
Não (me) acontecem milagres todos os dias!







terça-feira, dezembro 20, 2016

UMA EMOÇÃO EXTRA...


Sempre tive uma relação ambivalente com o futebol. A jogar fui sempre um desastre. Mas naquele tempo, onde houvesse peladinhas e outros deslumbres da bola eu entrava em jogo. Tinha bons argumentos no futebol, apesar de “não dar uma prá caixa”...

Na infância, no espaço social rural onde cresci, era eu o “dono da bola” e jogava calçado, numa equipa em que as chuteiras eram os cinco dedos dos pés. Sei, hoje, que pouco contava, então, quem era o “dono da bola” (de trapos), manifestamente, “propriedade colectiva”, pois que o vínculo individual deslaçava logo que era concebida nas mãos amorosas que lhe davam forma.

Mas usar botas, sim, era argumento. Quem em tão encarniçados desafios se iria aventurar às canelas de um couraçado? A vantagem significava até “abuso de posição privilegiada” e, não raras vezes, tive que jogar descalço, perante a juvenil rebelião das massas.

Mais tarde, quando subi ao Liceu, os meus “argumentos futebolísticos” foram outros. Tinha fama de bom aluno e disso aproveitava. Digamos que dava um certo chic intelectual aos bárbaros torneios que se desenrolavam no largo do toural. E digam-me lá, quem enjeitaria ter na sua equipa o melhor aluno da turma? Era certo e sabido que os meus compinchas me reservavam o lugar onde menos poderia atrapalhar, isto é, a jogar na baliza, onde mais frango menos frango, sempre me poderia redimir com uma placagem de bola, digna da televisão que não havia...

Uma tarde, num lance decisivo na grande área, onde defesa e ataque se confundiam no prenúncio do golo, certamente espicaçado pelos três a zero que a minha equipa já levava “na batata”, por entre um redemoinho de corpos e gritos, saltei em voo, qual super-homem salvador, procurando a bola que teimava em saltar de cabeça em cabeça.

“Azar dos Távoras”!... A bola entrou na baliza e, ali a meu lado, estendido no chão, sangrando desalmadamente da boca, o avançado-craque da minha equipa que, em denodado esforço de defesa, não encontrou melhor lance que não fosse cabecear e derrubar seu esforçado guarda-redes e dar de mão beijada um novo golo à equipa adversária.

Eu saí com um galo na testa e o meu amigo partiu dois dentes. O que causou algum reboliço no Liceu com um raspanete colectivo do reitor e, uma particular advertência à minha adolescente pessoa, que “tinha obrigação em dar o exemplo e ter mais juízo”...

Enfim, ficou tudo por ali. Sem qualquer trauma...

No entanto, a partir dessa data, movido certamente por outras pulsões, entretanto despertas, mais lúdicas e compulsivas e pelo prazer, não puramente estético, das formas arredondadas, o futebol perdeu para mim seu encanto e ficou no limbo da minha vida até bastante tarde: decorriam os anos oitenta do passado século, quando voltei a olhar o futebol com alguma atenção...

Claro que para este divórcio, mais que um certo snobismo intelectual (que não descarto) muito contribuía a trilogia “Fátima-Futebol-Fado”, pela qual a generalidade dos jovens da minha geração nutria profundo desprezo.

Mas nos anos oitenta, o futebol entrou-me outra vez em casa, pela porta grande. Meu filho, então na adolescência, envergou as vestes de um fanático benfiquista (não conheço nenhum benfiquista que não seja fanático) e – pai sofre! – para não perder o pé reconciliei-me com o futebol. E, imaginem vocês, um émulo do Barrigana (velha glória nas balizas do Futebol Clube do Porto) a vibrar de vermelho na “catedral da Luz”.

Hoje posso dar-me ao luxo de uma posição distanciada quanto ao futebol e ao fenómeno desportivo de uma maneira geral. Gosto, no futebol, do delírio do golo, da interacção criativa, da organização e trabalho colectivos, que não anulam talentos individuais, antes os estimulam. Perdoo-lhe até um certo “patrioteirismo de relvado” e toda a parafernália económico-mediática que o envolve e o parasita como fenómeno de consumo das massas populares.

E não posso deixar de me interrogar se o desporto, há muito tempo esventrado da proclamação matricial “mente sã em corpo são” e projectado, como espectáculo, à escala mundial, pelo poder da média, não representa um exemplo eficaz das teorias da infantilização e embrutecimento (“tittytainment”), com que se pretende anestesiar populações “supérfluas”, potencialmente perigosas na sua frustração, e assim as lançar numa espécie de “letargia feliz” e inofensiva...

Assim vai este nosso Mundo!...

E, cá por casa, mais um benfiquista – agora o António, meu neto, a entrar glorioso no relvado, no último jogo do Benfica, pela mão do seu ídolo, o exímio Pizzi.

O avô, portista assumido, sofre, mas perdoa! Quantos poemas não vale aquela emoção!...

Manuel Veiga



domingo, dezembro 18, 2016

DULCÍSSIMA A HORA...


Derrama-se o canto sobre a mesa alva.
E a noite fria. Agora é este lume na estrela
De teus dedos murmurados. E a frágil linha
De teus cabelos brancos escorridos...

Meu rosto são teus olhos...
Arfar do peito meu. Dobro-me nesta miragem
No esconso tempo. E desprendo em teu regaço
Lírios de outrora. E componho o musgo e a hera.
O menino sou eu.

E a lágrima é tua lá no Céu.
Dulcíssima a Hora...

Ilumina-se o esplendor dos anjos em redor.
Meu vagido, teu seio. E este milagre de ti.
Não há incenso, bem sei. Apenas a Mulher parida
E o filho incréu. De joelhos entoando tua bênção:

"Gloria in excelsis Deo!”

Manuel Veiga
in “Do Esplendor das Coisas Possíveis” – pág.45
Poética Edições – Lisboa – Abril 2016
...............................................................................................

Até breve! Beijos e Abraços

Votos de Boas Festas!



sexta-feira, dezembro 16, 2016

Em Cada Raiz, Um Poema Virgem.


Em cada inesperada raiz, um poema virgem
Sabor que desagua no palato. Qual rio
Que se espraia em águas cristalinas e cascatas
A soltar amarras e a celebrar litanias selvagens
Nos percursos íntimos da memória e na agitação
Dos dias perturbados. Porém, plenos. E claros.

Amoras tardias colhendo o sol das colinas
E mel silvestre nos lábios e, na língua, uma sede
Anscentral. Aguardente de vida a derramar-se no sangue
A destilar, fervente, o acaso de fugazes encantamentos.
Como se o voo espantado dos olhos fossem tordos
Ainda. E razão de tudo na irrequieta liberdade
Do canto no rosto das ruinas. E o corpo fosse
A majestade das ravinas suspensas do sopro.

Há em cada incauto verso uma perfumada seiva
Ou uma cicatriz aberta. Ou apenas um sorriso
Ou um barco engalanado. Ou um caminho.
Ou uma mágica sinfonia a abrir-se no palco
Como se o poeta fora cítara ou eco. Pastoril
Devaneio a percorrer o reverso do sonho.

Manuel Veiga





quarta-feira, dezembro 14, 2016

Que a Cidade Seja Solar e Ígnea


Que a palavra seja insígnia ou marmoto
E sobressalto...

Que a cidade seja solar e ígnea
E os muros se derramem no grito das gaivotas
E o Tejo uma falua engalanada...

E o corpo das mulheres seja o maduro trigo
De todas as fomes...

E as mãos sejam o destino dos homens
No suor do barro...

E o coração expluda...
E todos os caminhos se soltem...

E que a memória dos dias claros se desfolhe
Em cada gesto...

E a ansiedade dos tempos seja esporão
De claridade...

E a Palavra seja flama e sarça.
E que se inscreva liberta no rosto dos escravos...


Manuel Veiga


domingo, dezembro 11, 2016

Requer o Poeta a Palavra Exacta


Requer o poeta
A palavra exacta
Que agrida e fira
E acorde e se bata
Na praça: danada.

E no percurso
Se encandeie
Em qualquer pormenor
Ainda não visto
Que de poesia basta
Está o poeta farto:
- Oração de defunto
A serrar presunto
Lá pros lados da Lapa.

E tenha fogo
E tenha água – a palavra.
E se atice
E seja aldrabice. E ferva
Como espuma quente
Que nada pode: bem se sabe!
Palavra porém - nunca mole.

Palavra se requer que seja
Aguardente de vida
Em cada gole...


Manuel Veiga

quarta-feira, dezembro 07, 2016

Poema em Contra-mão


Em cada instante um novo instante
Ponte suspensa de cada espera.
Aceno de braços de quem chama
E se confunde no eco e na margem
Em breve sorriso percorrida.

Em cada fala a mesma fala
Nos soletrados passos da demora
Que o regresso adiado se desforra
Como semente infectada de memória

Na contra-mão de cada passo
O mesmo passo. Quiçá o desembaraço.
Ou o engano que se guarda em brio
Como se colhe rebelde laço fugidio.

Manuel Veiga


segunda-feira, dezembro 05, 2016

"Este nosso Tempo - Semeemos!..."


Somos o sonho milenar das Pátrias e a Promessa
Que habita o sangue dos escravos e escalda
A mente dos poetas.

E em cada gesto nosso uma flor indecifrada
Que se levanta e se estende generosa
Prenhe de vontade
E gloriosa
Em seu jeito
De florir.

Nada além de cada Aurora
E os fios que nos atam
Frutos em espera
Como gomos
Em boca
Ávida.

Sabemos que o pão que amassamos
Nunca será mesa em nos que sentemos
E no entanto dizemos:
“Este é o nosso Tempo,
Semeemos”!

Manuel Veiga



sábado, dezembro 03, 2016

Da Metáfora do Mundo


Bem no alto, no topo mais alto de todos os topos
Onde todas as bandeiras se desenham e os ventos
Flutuam abrindo espaço aos hinos e as espadas
São o faiscante sol das batalhas e as gloriosas
Demandas de todos os destinos e os passos dos homens
O pulsar ainda magma das cidades futuras e os mares
São o sonho líquido das montanhas e as caravelas
Um punho fechado de utopias desertas. Nevoeiro
E visionário rasgo de profecias alvoroçadas
E as pátrias são iniciático gesto e o ombro de escravos
E os dias se contam por mistérios.

E a música é planície
Sem topo e infinito silêncio maturado de mil ecos
E respiração das estátuas.

E todas as coisas falam
Do seu destino na linguagem primordial dos afectos
E das recusas e se moldam qual partitura de uma sinfonia
Sem maestro. E as palavras e as coisas se incendeiam
No mesmo fogo. E se dizem numa geografia de territórios
Íntimos. Verso e reverso da mesma fala. Trama de luz
E sombra a desenhar os invisíveis fios da memória
E as brumas da História.

Então o poeta demiúrgico embora é aprendiz de feiticeiro
E o poema não mais que desmaiado reflexo
Da grande metáfora do Mundo.

Manuel Veiga


terça-feira, novembro 29, 2016

Ligeira Vibração de Nada


Quando as estrelas se fundem por capricho
Ou invisível Fado. E o universo é apenas tela
Ou registo do matricial fogo.
E os próprios deuses se espantam
E invejam essa nova luz a despontar.
Inelutável.

E toda a poalha vibra em ritmo novo.
E todas as trajectórias dançam.
Incontidas.

E as alvoradas são a arder em chamas.
E o grito é glorioso toque de trombetas
E a palavra é ligeira vibração de nada
Incrustada no dorso de todos os sentidos.

Então o Prodígio acontece. E desce
À mesa do poeta. E o poema é cerimónia secreta
A desvendar-se virgem no palato e língua
Fruto pagão e bailado bocas.
Rítmicas.

Manuel Veiga



domingo, novembro 27, 2016

Nem Cânticos, Nem Glórias.






Nem cânticos, nem glórias que favores
Não tenho guardados em meus gestos...

Sou rio ou aqueles montes desertos
Que de longe atraiam, mas que de perto
Pedras rolantes apenas, cuidando o sopro.

E nessa miragem me despenho. Inteiro.
Que de mim apenas o voo a que me afoito. 
Sem asas de falcão. Nem alvos de permeio.

Mas fervoroso nos dados em que me jogo.

Sou nada ou o infinito – queiram ou não.
De resto – é como digo - que mais me importa?
De pés descalços e olhar altivo me visito
Nas rosas que colho. E nos frutos que semeio.

Amores e desamores. E o peito aberto!...


Manuel Veiga
in“Poemas Cativos” – Poética Edições
Maio 2014

...........................................................................................................

Decidi reabrir os comentários.
Por que sim!
Espero que meus textos continuem a merecer
 a vossa esclarecida opinião.
Grato.

Beijos e Abraços.


sexta-feira, novembro 25, 2016

Ergo do Chão Meu Silêncio


Ergo do chão meu silêncio e nele alicerço
Minha casa-abrigo. E bordo, letra a letra,
As palavras-outras nas margens clandestinas
De que sou devoto.

Cabana apenas a que o olhar se rende
Premeditados esquissos. Assaz perdidos
Que nada mais importa nesta floresta de enganos
Que não seja a rota dos desejos.

E então me perco. Ou então me faço
Soleira e cristal. E percorro enseadas
E aí me demoro. E abro meu corpo
Ao mistério das águas
E ao âmago dos ventos.

Manuel Veiga








quarta-feira, novembro 23, 2016

Pórtico e Palco.


Evoco a inamovível pedra
Onde me sento e deponho meus silêncios
Pórtico e palco de esperas longas
E festivas chegadas.

E apaziguo meus demónios
E limpo as escórias
E sacudo poeiras e as cinzas
E o estertor dos mitos.

E me celebro, pedra
Agora ara e vara do tempo.

E mergulho, matriciais águas
E desfile de rostos. Um a um nomeio. E digo
Em murmúrio de lábios.

E em meus passos me ergo. E lavro
As linhas de meu rosto. E fecundo o horizonte
De meus dias peregrinos.

Manuel Veiga




terça-feira, novembro 22, 2016

FRAGMENTOS XXXVIII


Mal raiava o dia. No horizonte, por cima da savana, espalhava-se o vermelhão, anunciando o sol, intenso na origem que se esbatia, elevando-se até quase metade do Céu, em tons cada vez mais suaves, prenúncio da canícula que aguardava os corpos. Mas, por enquanto, a majestade preanunciada do deus-sol espraiava-se apenas num azul fosco, a espantar a humidade da noite, que aqui e ali esvoaçava ainda, em nuvens a desfazerem-se, como algodão doce. O Alferes embebecia-se nesses momentos de indefinição de atmosferas, nessa subtil metamorfose de cores e ambientes e, por vezes, sentia-se fora do tempo, como se fora apenas um elemento a mais na paisagem ou testemunha privilegiada, ante o pasmo de seus olhos, do “diálogo” veemente da natureza consigo própria, procurando decifrar essa escrita maior e os seus sinais, que por todo o lado o interpelavam. Guerra e paz e a sua condição de militar e as inevitáveis preocupações e tarefas de provisório comandante militar da Tabanca, nesses momentos de evasão da alma, eram como que uma espécie de teatro de marionetas, em que a si próprio se encenava, como se tudo fosse irreal na sua vida na Tabanca, pois que a verdadeira vida ficara em trânsito, suspensa onde fora feliz. E, nesses momentos, os olhos baços derretiam-se numa emoção breve a percorrer o assomo de sua vida e o percurso de paisagens-outras que alimentavam a solidão dos dias, como bálsamo. E então era a desfilada de nomes, nuvens fantasmagóricas, em que se embalava. A Lia, dulcíssima recordação de infância, sua companheira de precoces descobertas do corpo, a arrostar sua solidão e pecado, com um filho nos braços para vergonha sua e do padre Francisco, a expiar remorsos e a sua larvar doença em terras ignoradas de Angola, também em guerra. Eram as orações das tias piedosas. O regaço da mãe e as açucenas e terna carícia nos caracóis loiros. O ti Zé Fardela a espicaçá-lo e um melro cantador. E a autoridade do Pai, em passada larga: “O rapaz vai para Coimbra e será juiz, acabou-se a discussão!”

Eu sei bem, Maria Adelaide, que é este tom e o registo que te seduzem e te mantêm presa, por vezes a contragosto, desta narrativa sem tempo, em que o autor se nega e modo é um capricho de areia, que tanto se faz como se  desfaz, conforme a “mão invisível” que percorre a narrativa e determina o respirar das palavras, quase sempre em desarmonia, e, que apenas na instância última em que o leitor as requer, vivas ou dispensáveis, se envolvem em jogo afectos, galgando a realidade e a ficção, no equilíbrio instável entre o(s) sentido(s) recreado(s) e a(s) memória(s) inventada(s), que alguns dirão Literatura e outros encolher de ombros, num despeito de raposa perante uvas que não alcança. E sabes muito bem tu que o autor, (se autor houvesse), nada mais prossegue que não seja sua teima e o gosto de desenhar este simulacro de vida, que vida não sendo, como vida se afirma.

Poderíamos, assim, Maria Adelaide, continuar a percorrer este universo de artifícios coloridos (literários, está bom de ver) em que o Alferes (momentaneamente) mergulha e testemunha, deixando a pairar no ar certo perfume estético-poético, ou umas vigorosas metáforas para onde, por momentos, breves que sejam, te descai a chinela e o pezinho, uma escrita, portanto, escorreita, com sujeito, predicado e complemento directo nos lugares certos e continuar deliciar-te, como quem oferece um licor raro, “com pasmo de seus olhos, do “diálogo” veemente da natureza consigo própria” (diz lá que não uma frase bonita!).

Eu sei, Maria Adelaide, o que te inflamaria, a ti, alfa e ómega desta narrativa, que ficaste, lá atrás, suspensa de um beijo e a tua deliciosa perversidade de um livro roubado nas mãos. Eu sei, mas hoje não. Outras são as exigências da narrativa, a requer, - quiçá! -  verdadeira reportagem de guerra.

Vai abrir-se a “a caixa de Pandora” e soltarem-se as maldições da guerra. Não será espectáculo recomendável – talvez seja preferível, Maria Adelaide, ficares afastada uns tempos. Ou talvez não. Porventura possas, talvez, aparecer, mais tarde, trasvestida de senhora de impoluta conduta, temente a Deus e amante dos pobrezinhos, qual dedicada activista do Movimento Nacional Feminino e de sua corte de “madrinhas de guerra”. Quem o poderá jurar, se o autor não existe?

Manuel Veiga


domingo, novembro 20, 2016

Sei Que as Ruas São Torpedos


Sob os escombros dos impérios a persistência
Dos dias adiados. Gestos macerados
Em estridência de bronze
Nos golpes desferidos.

Cortinas embora que incautos tempos
Vão abrindo. Escudos na intermitência dos golpes.
Por agora.

Os heróis - dizem-me - estão gastos.
Respiram a poeira das cavalgadas e míticas auroras.
E o acaso dos dias...

Sei no entanto do esplendor das coisas possíveis
E da decantação das horas.
E que o perfume das madrugadas
Se alimenta desta espera.
E deste húmus.

E da fumegante audácia que germina
Na grandeza de promessas
– Enfim! - traídas.

E nestes cardos que os ventos soltam
Em redemoinho. Como espinhos...

E sei ainda que lâminas e cânticos se afinam.
E que o abraço escorre nos humanos ombros.
E os pulsos se rasgam. E o sangue lateja.
E que as agruras são semente.

E os caminhos se desbravam.
E sei que as ruas são torpedos quando rios
E flâmulas se incendeiam...

Manuel Veiga

In “Do Esplendor das Coisas Possíveis”- págs. 122/23
Poética Edições – Abril 2016









sábado, novembro 19, 2016

Murmúrio de Luz.





Do traço ao rosto a mão inquieta
Rumor de palavra. Surda. Murmúrio de luz.
E treva magoada.

Subtis formas. Desvairadas. Eufóricas danças.
Multi-cores. A desenharem-se sob os dedos
Imprecisos. E o indeciso corpo no interior
Do sopro. Alvoroçado.

Tudo se conjuga embora – linhas e cores.
E o olhar de fera. E as prevenidas asas:
 “Anjo da História” a deter a ventania.
E o desastre.

O poeta tão por dentro é apenas testemunha.
O drama está além: na orla de nada!
No fermentar de mosto. E no chamamento
Da água. Granito ainda.
E inquieto lume…

Talvez pela fissura se erga a face dos homens.
E a flor dos lábios. E os braços líquidos.
Generosos. E os punhos.

E rio de cores em que o poeta
Se afunda...

E o poema se faça absoluta claridade.
E os tempos Hora!

Manuel Veiga



NÃO HÁ MACHADO QUE CORTE...





"Não Há Machado Que Corte ..."

Nem o Pensamento, nem a raiz de qualquer genuíno sentimento!
Tentar limitar ou condicionar uns e outros, por mais subtis que sejam os métodos, 
é uma indignidade que define os seus autores.