quinta-feira, maio 30, 2013

LIBERTAR PORTUGAL...

 
 

domingo, maio 26, 2013

NOTICIAS DE BABILÓNIA XXVI


No palco dos infaustos dias, reina em Babilónia o Espectáculo... Com azul e vermelho em fundo. E o latão da taça...

Que enfeitam a vida e o logro dos babilónicos – pasmados!...

Anunciam até os arautos que o Hammurabi, o milagreiro, ele próprio, se encena como Palhaço. E que, sem asa, nem golpe, se estatela no chão, ao predizer o futuro por cima do barco encalhado...

A Praça rebola-se de gozo...

E um velho vagabundo, desgrenhado e cáustico, resmunga: “Circo sem pão! – Isto ainda acaba mal...”
................................................................

Entretanto, o Povo sofrido, em milhares de vozes, reclama o barro. E a côdea do salário...
 

 

sexta-feira, maio 24, 2013

TODOS A BELÉM!...

 
 

quinta-feira, maio 23, 2013

SEARA NOVA nº 1723 - Primavera 2013



Para além dos excelentes artigos
sobre a actualidade política e social,
 destaco o comovente poema de Eugénia Cunhal,
na secção "Momento de Poesia".
 
 

quarta-feira, maio 22, 2013


segunda-feira, maio 20, 2013

Ainda Agora Cais...


 
Vicejam espinhos nas ruinas do tempo
E os rios medem as margens no sobressalto das árvores...

Em seu pudor - ou resguardo - a palavra lateja. Mítica.

Clandestina embora atiça o fervor que germina
Nos rostos calcinados e na amargura dos homens.
E o alvoroço ganha então asas nas veredas do sangue.
E no percurso inóspito dos passos...

As mulheres revestem-se de sibilinos gestos
E soletram a boca das crianças
Nas migalhas...

E erguem o olhar pleno como antigas ânforas
Que repletas extravasam. E minguadas se aprestam
A todas as sedes e a todas as urgências.
E que de mão em mão passam. Gloriosas...

Fecundos são os dias assim (pre)sentidos
Que amadurecem como crisálidas. E se soltam serenos
Na arribação das aves. E nos ritos da memória...

E se advinham no pulsar cálido da cidade
Ainda agora cais. A erguer promessas. E a desenhar velas.
No horizonte líquido do Tejo...

 

 

quarta-feira, maio 15, 2013

NOTÍCIAS DE BABILÓNIA 25


Sobre os céus de Babilónia, reina o esplendor de uma deusa – distante e insaciável!... Que os magos apaziguam com o sangue dos babilónicos...

Uma tróica de emissários pastoreia os devotos. E espreme o corpo exaurido do povo mártir...

Dizem alguns que viram há dias a deusa luzindo, de branco, numa azinheira, na Cova de Boliqueime. Outros protestam que não passa de uma miragem...

Hammurabi, o moderador, tem visões místicas: “não tenhais medo!...” – exorta, piedoso, em nome da virgem. E proclama o sétimo milagre...
...................................................

Um velho andrajoso e um pouco cínico, exalta o feito: – “Hossanas, cidadãos! Louvemos o milagre de Maria e de Hannibal...”

 

 

domingo, maio 12, 2013

NOTÍCIAS DE BABILÓNIA 24

 
Havia em Babilónia, um princípio sagrado. Que, mais tarde, grandes povos levaram a seus códigos – nenhum crime, dever ou tributo sem que a lei previamente os preveja...
Com o barco encalhado e a algazarra na praça, Hammurabi, o legislador, propõe-se instituir o Arbítrio.
E para alimentar a Medusa, insaciável e castradora, suga o sangue dos velhos – o sangue presente e o sangue futuro!...
E até o sangue da morte...
...........................................................
Um velho, amargo e cáustico, murmura entre dentes: “Que enorme desgraça! ... O grande Hammurabi virou em Rosalino...”

sexta-feira, maio 10, 2013


quinta-feira, maio 09, 2013

QUE A PALAVRA SEJA SOBRESSALTO...


Que a palavra seja insígnia ou marmoto
E sobressalto...

Que a cidade seja solar e ígnea
E os muros se derramem no grito das gaivotas
E o Tejo uma falua engalanada...

E o corpo das mulheres seja o maduro trigo
De todas as fomes...

E as mãos sejam o destino dos homens
No suor do barro...

E o coração expluda...
E todos os caminhos se soltem...

E que a memória dos dias claros se desfolhe
Em cada gesto...

E a ansiedade dos tempos seja esporão
De claridade...

E a Palavra seja flama e sarça.
E que se inscreva liberta no rosto dos escravos...


terça-feira, maio 07, 2013

NOTÍCIAS DE BABILÓNIA 23




Houve em Babilónia uma juventude irreverente e solidária. Detestava a guerra. E batia-se pela Liberdade... Ainda hoje se escutam os ecos esbatidos da sua generosidade...

Entretanto, no que dizem ser a euforia da Festa, por ganância, (ou desespero da fome) um jovem foi barbaramente assassinado...

Quanto vale uma morte? Ninguém se interroga - importa, sobretudo, alimentar a hidra!...

O bezerro de oiro cobre Babilónia com sua sombra – e captura a consciência dos jovens...

............................................................

Oh tempore, oh mores...” – balbucia um velho alquebrado, numa língua bárbara.

 

 

domingo, maio 05, 2013

NOTÍCIAS DE BABILÓNIA 22



Em Babilónia reina a amargura e o descrédito...

Um amanuense enfeita-se de mago, mas não acerta uma... No entanto, cumpre, com afinco, o guião a que obedece – e os interesses que serve...

Na praça, a barafunda aumenta. E o barco afunda-se... Mais e mais...

Os babilónios clamam e reclamam. E gritam... Outros sublimam a fome, fazendo chacota...

...................................................

Hammurabi, o moderador – que nunca se engana e raramente tem dúvidas - proclama que “à noite se segue o dia...” 

Ninguém acredita!

 

 

 

quinta-feira, maio 02, 2013

CONFERÊNCIA SEARA NOVA

 


Porque o fascismo existiu ...
Não deixemos que apaguem a memória...